Conecte-se conosco

Entretenimento

Há 20 anos, Kelly Osbourne tentava surfar na onda Pop Punk com o disco “Shut Up”

Published

on


Reprodução/YouTube

Por Rafael Teixeira e Felipe Ernani

Em 2002, no auge de artistas como Avril Lavigne, Jimmy Eat World, Simple Plan e Good Charlotte, a filha de Ozzy, Kelly Osbourne, estreou no mundo da música com o disco Shut Up, voltado para o Rock e o Pop Punk.

Aquele também foi o ano de estreia do reality show The Osbournes, que por três anos acompanhou a rotina da família do vocalista do Black Sabbath, e fez com que Kelly se tornasse uma reconhecida personalidade da TV.

Shut Up foi lançado pela Epic Records e produzido por Ric Wake, que já havia trabalhado com divas Pop como Celine Dion, Whitney Houston e Mariah Carey. O álbum tem 12 músicas em pouco menos de 40 minutos.

Mas as duas únicas músicas que fizeram certo sucesso eram covers: “Papa Don’t Preach”, cantada originalmente por Madonna, e “Changes”, do próprio Black Sabbath. Ainda assim, algumas das originais até merecem destaque, como “Come Dig Me Out” e a própria faixa-título.

Continua após o vídeo

Quem (não) sabe (não) faz ao vivo

As críticas ao disco foram mistas, mas as vendas foram decepcionantes. Apesar de ter chegado ao primeiro lugar da parada “Top Heatseekers” da Billboard, que monitora artistas revelação, o álbum ficou apenas em 101º lugar na Billboard 200 e em 31º no ranking do Reino Unido.

O grande problema, no entanto, ficou nas apresentações ao vivo. Isso porque a filha de Ozzy não tinha uma grande habilidade vocal e, nas versões de estúdio de algumas das músicas de Shut Up, arriscava algumas notas que simplesmente não conseguia reproduzir nos shows.

Isso tudo deixava bem claro que Kelly havia sido “fabricada” para ser uma estrela, no sentido de toda essa carreira ser uma tentativa de surfar na onda Pop Punk da época e, evidentemente, no sucesso de The Osbournes, que era realmente um dos assuntos mais comentados do mundo da música naquele período.

Continua após o vídeo

Em 2005, Kelly Osbourne lançou segundo e último disco

O que comprova essa teoria é que, três anos depois, Kelly Osbourne lançou Sleeping in the Nothing (2005), seu segundo e último disco. Dessa vez, a cantora se dedicou à Disco e à música Eletrônica com produção de Linda Perry, conhecida por álbuns de Christina Aguilera e Gwen Stefani.

Surpreendentemente, o trabalho foi melhor recebido pela crítica, que considerou que a cantora estava mais à vontade com esses estilos. Ainda assim, o disco chegou apenas ao 117º lugar na Billboard 200 e ao 57º na UK Albums.

Após sua breve carreira na música, Kelly Osbourne voltou a se dedicar à televisão como apresentadora e jurada. Ela também trabalha como atriz, dubladora, modelo e designer de moda.

Continua após o vídeo

Kelly Osbourne anunciou gravidez este ano

Como te contamos por aqui, o foco de Kelly Osbourne nesse momento é ser mamãe! Em maio, ela anunciou que estava grávida do primeiro filho com Sid Wilson, que é DJ da banda Slipknot, e o bebê nasceu há pouco tempo.

Este é o quarto neto de Ozzy e Sharon Osbourne. Jack, o mais novo dos três filhos do casal, também criou três herdeiros com sua esposa.

Relembre abaixo o disco Shut Up, que está completando 20 anos!

LEIA TAMBÉM: Novo The Osbournes? Reality show irá documentar mudança de Ozzy e Sharon para a Inglaterra

OUÇA AGORA MESMO A PLAYLIST TMDQA! ALTERNATIVO

Clássicos, lançamentos, Indie, Punk, Metal e muito mais: ouça agora mesmo a Playlist TMDQA! Alternativo e siga o TMDQA! no Spotify!

 







Fonte: entretenimento.r7.com

Entretenimento

Filha de Susana Naspolini faz homenagem após um mês da morte da jornalista: Me conforta saber que ela não está mais com dor

Published

on


Julia Naspolini, filha de Susana Naspolini, emocionou a web na última sexta-feira, dia 25, ao fazer uma homenagem para a mãe, um mês após a sua morte. Nas redes sociais, a jovem escreveu um longo texto e abriu o coração sobre a luta que a repórter travava contra o câncer na bacia.

Oi, amigos! Julia aqui. Faz um mês que vim falar com vocês da notícia mais triste da minha vida. Hoje a saudade da mamãe bateu forte… O que me conforta é saber que ela não está mais com dor, que ela está em um lugar bem melhor, rezando pela gente!, começou.

E continuou:

Minha maior confidente, minha maior parceira, minha maior companheira, minha maior inspiração, meu porto seguro, minha melhor amiga, meu tudo, meu mundo, minha mãe. Sinto sua falta todos os segundos de todos os minutos de todas as horas de todos os dias. Queria tanto que você estivesse aqui pra conversar comigo, falar nossas besteiras, te contar das fofocas, perguntar sua opinião pra tudo, ver nossas séries, filmes, fazer nossos passeios, nossas viagens… Tínhamos tantos planos. Queria tanto que você tivesse aqui pra me fazer rir como ninguém faz. Queria tanto te contar como eu estou. Queria tanto os seus conselhos. Queria tanto o seu abraço. Obrigada por ter sido a melhor do mundo! Obrigada por, em qualquer circunstância, ter me dado colo e me feito sorrir. Obrigada por ter feito do mais simples até o impossível pra me fazer feliz. Obrigada meu Deus por ter me dado você como minha mãe. Tenho muito orgulho de ser sua filha! Você é única em todos os jeitos. Espero te orgulhar e te deixar feliz aí de cima. Te amo mais que o infinito e te levo comigo pra sempre. Eu sou você, mami, eu sou você! Te amo muito, Cutinha.





Fonte: entretenimento.r7.com

Continue lendo

Entretenimento

“Joguei pela janela”: Ian Gillan (Deep Purple) fala sobre disco que gravou com o Black Sabbath

Published

on

Ian Gillan


Crédito: reprodução

Em entrevista à rádio RockFM, o vocalista Ian Gillan, do Deep Purple, foi questionado se é verdade que ele quebrou o único álbum do Black Sabbath do qual participou, Born Again (1983).

Ao responder, o cantor deixou claro que não foi bem assim — mas talvez tenha sido pior. Ele disse que jogou o disco fora quando conseguiu uma cópia do trabalho de estúdio (via Blabbermouth):

Eu não quebrei. Joguei pela janela do meu carro. [Risos] Olha, fiquei desapontado. Eu não tinha a mentalidade de todos os caras do Black Sabbath. Eu adorei. Tive um ano fantástico; foi insano. Mas quando terminamos as mixagens… ‘Born Again’, e soa fantástico – apenas em uma fita cassete. E foi a última coisa que ouvi no estúdio de gravação. Quando ouvi o álbum, pensei, ‘O que é isso?’. O estrondo do baixo foi um pouco demais para mim. Há uma frase famosa em um filme famoso chamado ‘This Is Spinal Tap’ que tem duas ou três referências ao Black Sabbath. E eu não sei de onde isso pode ter vindo [risos], mas um deles era, ‘Este álbum não pode ser reproduzido nas rádios americanas’, por causa do final do baixo. E assim foi – impossível de tocar no rádio. Fiquei desapontado com a mixagem da produção final. Não sei o que aconteceu entre o estúdio e a fábrica, mas algo aconteceu. Então, foi uma decepção. Dito isso, adoro algumas das músicas de lá. E ‘Trashed’ é uma das minhas músicas favoritas do Rock and Roll de todos os tempos, e ainda mais porque é uma história completamente verdadeira [risos].

Caramba… Confira a entrevista na íntegra ao final da matéria e relembre a faixa em questão!

Ian Gillan relembrou turnê com o Black Sabbath

Em outro momento da conversa, Gillan refletiu sobre suas experiências junto com a banda de Ozzy Osbourne e revelou que nunca se sentiu bem estando no lugar do Príncipe das Trevas:

Eu estive com o Black Sabbath por um ano e cantei canções de Ozzy Osbourne, bem como as canções de ‘Born Again’. E nunca me senti bem fazendo isso. Foi ótimo — eu era capaz de cantá-las bem — mas não soava como Ozzy. Havia algo que não estava certo.

De fato, o único vocalista que conseguiu efetivamente dar sequência ao Sabbath foi o lendário Ronnie James Dio, que impôs seu próprio estilo e até trouxe uma sonoridade diferente ao grupo. Difícil mesmo!

LEIA TAMBÉM: Marcelo D2 mostra Black Sabbath para a filha e resultado é incrível; vídeo








Fonte: entretenimento.r7.com

Continue lendo

Entretenimento

COPA DO MUNDO | Acompanhe AO VIVO o jogo entre Polônia e Arábia Saudita pela fase de grupos

Published

on


Foto: Reprodução

Direto do Catar, Polônia e Arábia Saudita disputam mais uma partida pela Copa do Mundo deste ano. O jogo é transmitido pela Globo, Globoplay, SporTV e GE. A narração do embate acontece dos Estúdios Globo na capital Doha e também no Rio de Janeiro.

ACOMPANHE POLÔNIA E ARÁBIA SAUDITA AQUI

A competição reúne 32 seleções na busca pelo título do mundial e é a última nesse formato. A partir de 2026, o conglomerado passa a ser de 48 equipes, sendo sediado em outros três países: Canadá, Estados Unidos e México.

O torneio vai de 20 de novembro ao dia 18 de dezembro nos oito estádios do mundial: Al Bayt Stadium, Lusail Stadium, Khalifa Internacional Stadium, Estádio 974 (ou Estádio do Porto de Doha), Education City Stadium, Al Thumama Stadium, Al Thumama Stadium e o Ahmed bin Ali Stadium.



Fonte: entretenimento.r7.com

Continue lendo
Publicidade

MAIS LIDAS