Conecte-se conosco

Entretenimento

Cantora Katy Perry trabalhou duro para encontrar sua própria ‘voz’

Published

on

Cantora Katy Perry trabalhou duro para descobrir sua própria “voz” verdadeira e senso de “força”.

A cantora do Firework estava entre as mulheres pioneiras celebradas no 2019 DVF Awards, realizada no Brooklyn Museum em Nova York na noite de quinta-feira (11 de abril de1919), com a fundadora do evento Diane von Furstenberg concedendo o prêmio The Inspiration DVF.

Quanto ao prêmio, Katy compartilhou que ficou emocionada ao receber o prêmio, mas confessou que demorou muito tempo para determinar exatamente como se expressar.

“Há tantas mulheres aqui que encontraram sua voz e, para mim, isso é realmente importante. Essa foi a minha jornada, para encontrar minha voz”, ela disse ao Entertainment Tonight no tapete vermelho. “Que irônico é que eu sou um cantor e eu já tenho uma parte da minha voz. Mas, de certa forma, levei muito tempo para encontrar força no meu dia-a-dia. Levantando-me e sentindo que eu Estou me sentindo seguro o suficiente, todas aquelas coisas que eu tive que trabalhar. Então, eu gosto de estar na companhia de mulheres que encontraram sua voz. “


Cantora Katy Perry foi homenageada com o prêmio The Inspiration DVF Award em homenagem à sua carreira musical e ao apoio de muitas causas, incluindo seu papel como Embaixadora da Goodwill da UNICEF e campeã da comunidade LGBTQ. No entanto, quando se trata de quem a inspirou, a estrela insistiu que Diane, de 72 anos, está no topo de sua lista.

“Eu sempre a admirei de longe, mas poder realmente conhecê-la realmente cimentou (minha) admiração e o respeito que tenho por ela”, compartilhou a atriz de 34 anos do lendário estilista de moda. “Ela é perseverante e resiliente e ela é realmente o que eu quero ser.”

Diane e seu marido, magnata da mídia, Barry Diller fundaram o evento em 2010 em associação com a Fundação da Família Diller-von Furstenberg para reconhecer e apoiar “mulheres extraordinárias que se dedicam a transformar a vida de outras mulheres”.

Outros a serem homenageados no evento, incluindo a advogada e acadêmica Anita F. Hill, que recebeu o prêmio Lifetime Leadership DVF, a ativista de direitos humanos iraquiana Nadia Murad e o fundador do The Alchemist Lab Hadeel Mustafa Anabtawi, que ganhou o prêmio International DVF; a ativista Susan Burton, que levou para casa o People’s Voice DVF Award. Cada honouree recebe $ 50.000 (£ 38.000) para sua organização sem fins lucrativos, a fim de promover seu trabalho.

Entretenimento

Gustavo Lima investe na música inédita ‘O ex da sua vida’ para terminar o álbum de repertório romântico

Published

on

Foto: Divulgação

♪ Após o primeiro volume do álbum O embaixador falando de amor, apresentado em 10 de junho com 6 músicas, Gustavo Lima lança a segunda e última parte do álbum gravado no estúdio Balada, em Goiânia (GO).

Em rotação nos aplicativos de música desde quinta-feira, 1º de julho, o disco O embaixador falando de amor vol. 2 acrescenta sete canções ao repertório romântico. O foco de marketing da gravadora Sony Music – parceira do selo Balada Music na edição do álbum – atualmente recai sobre O ex da sua vida, faixa em que o cantor mineiro dá voz à composição inédita de Adryel Lima.

O resto do repertório deste segundo volume é composto por regravações de outros artistas? sucessos, como Va a ser (Cláudio Rabello e Franco Atílio), Se não tivesse ido (Marco Antonio Solís Sosa e Bruno), Os corações não são iguais (Augusto César, Miguel Plopschi e Paulo Sergio Valle), Quando um enorme amor se faz (Cantare è d’amore, Amedeo Minghi, na versão em português de César Augusto e Duchesca), e Você mudou (Fazendo amor do nada, Jim Steinman, na versão em português de Boiadeiro e Sandro Lemes).

Para aqueles que não sabem o nome da canção, Making love out of nothing at all é uma balada lançada em 1983 pelo duo australiano Air Supply.

Fonte: BLOG DO MAURO FERREIRA/G1.globo.com

Continue lendo

Entretenimento

Virtudão lança nova música que conta uma história de amor a distancia

Published

on

A música “Menos de 1 km”, um pagodinho clássico, cheio de romantismo e história de amor .

O grupo de pagode Virtudão lançou nesta quinta-feira (13) o primeiro single sete meses depois de apostar em uma mulher como nova vocalista da banda. Leticia Moura e Everton Martins lançaram a música “Menos de 1 km”, um pagodinho clássico, cheio de romantismo e história de amor que pode ser conferido em todas as plataformas digitais e no youtube.

“Nosso primeiro single do EP foi um sambinha mais dançante, agora apostamos nessa pegada mais clássica. A verdade, é que amamos esse pagode mais romântico, e tenho certeza que o publico vai gostar também”, explicou Everton.

Essa é a segunda canção do EP gravado em São Paulo. Ao todo foram três músicas produzidas por Jr Nikkimba, Michel Fujiwara, Cláudio Bonfim, Kadu Silva, Jacques Batera e Ronald Marcondes. Os profissionais tem carreiras consolidadas e trabalham com grandes nomes do pagode como Dilsinho, Alexandre Pires, Thiaguinho, Jeito Moleque, entre outros.

A banda surgiu, mas só em 2011 após uma breve separação o Virtudão uniu mais uma vez Andrey Nogueira e Everton Martins, em nova formação. O encontro rendeu vários projetos musicais, como o Virtudão VIP e o Quintal do Virtudão.

Com shows animados e dançantes, o Virtudão leva os clássicos do pagode para o palco, mas as músicas atuais também, em novas roupagens no ritmo.

Fonte: G1 Pa — Belém

Continue lendo

Entretenimento

Lobão adiciona música de Rita Lee ao álbum ‘Canções de quarentena’

Published

on

♪ Lobão decidiu incluir uma segunda música de Rita Lee no repertório do álbum Canções de quarentena. Como o artista revelou em rede social, o cantor vai gravar Ando jururu, composição apresentada pela autora há 47 anos no álbum Atrás do porto tem uma cidade (1974), gravado por Rita com o grupo Tutti Frutti.

Além de Ando jururu, Lobão também selecionou Balada do louco (Arnaldo Baptista e Rita Lee, 1972) – música do repertório do grupo Os Mutantes – para o álbum.

Gravado desde o primeiro semestre de 2020 com produção orquestrada solitariamente por Lobão (inicialmente no Rio de Janeiro e, desde dezembro, em São Paulo), o disco Canções de quarentena reúne registros inéditos de músicas da década de 1970 que reverberam na memória afetiva de Lobão.

Ainda inédito, o álbum já gerou seis singles, sendo que o último, Canalha, foi lançado em 29 de janeiro deste ano de 2021 com regravação do rock do compositor Walter Franco (1945 – 2019), apresentado pelo autor em 1979 em festival promovido pela TV Tupi.

O trem azul (Lô Borges e Ronaldo Bastos, 1972), BR-3 (Antonio Adolfo e Tibério Gaspar, 1970), Canteiros (Fagner sobre poema de Cecília Meirelles, 1973), Pedaço de mim (Chico Buarque, 1978) e Eu quero é botar meu bloco na rua (Sérgio Sampaio, 1972) foram, pela ordem, os cinco singles anteriores do álbum.

O sétimo e ainda inédito single deverá ser Retalhos de cetim, samba de 1973 que se tornou o primeiro grande sucesso do cantor e compositor Benito Di Paula.

♪ Eis outras músicas já gravadas por Lobão para o álbum Canções de quarentena, mas ainda inéditas:

♪ Azul da cor do mar (Tim Maia, 1970)

♪ Na hora do almoço (Belchior, 1971)

♪ Tarde em Itapoã (Toquinho e Vinicius de Moraes, 1971)

♪ Balada do louco (Arnaldo Baptista e Rita Lee, 1972)

♪ Cais (Milton Nascimento e Ronaldo Bastos, 1972)

♪ Como vai você (Antonio Marcos e Mário Marcos, 1972)

♪ Hoje ainda é dia de rock (Zé Rodrix, 1972)

♪ Pérola negra (Luiz Melodia, 1971)

♪ Retalhos de cetim (Benito Di Paula, 1973)

♪ Os alquimistas estão chegando os alquimistas (Jorge Ben Jor, 1974)

Fonte: Mauro Ferreira g1.globo.com

Continue lendo
Publicidade

MAIS LIDAS

Enable Notifications    OK No thanks