Conecte-se conosco

Entretenimento

‘Afogamento’ aponta no horizonte álbum em que Roberta Sá canta 11 inéditas de Gil

Published

on

Em rotação na web a partir deste fim de semana, através da Gegê Produções, o single Afogamento aponta no horizonte o álbum em que Roberta Sá canta 11 músicas inéditas de Gilberto Gil – visto na foto de Alice Venturi em momento de ternura com a cantora de origem potiguar radicada na cidade do Rio de Janeiro (RJ) desde a adolescência.

Canção assinada pelo compositor baiano em parceria com o jornalista Jorge Bastos Moreno (1954 – 2017), promotor de almoços dominicais temperados com música que aproximaram de Gil e Roberta em 2016, Afogamento ostenta o refinado D.N.A. melódico, rítmico e poético de Gil, que, além de dividir com a cantora os versos de tom filosófico, toca um violão com a bossa típica do artista.

Programado para ser lançado no segundo semestre, o álbum de Roberta Sá tem produção assinada por Bem Gil, autor da ideia de o disco ter somente músicas inéditas do patriarca da família. O projeto inicial previa a mistura de algumas músicas inéditas, como o samba de roda Giro, com regravações do cancioneiro de Gil.

Bem Gil, Roberta Sá e Gilberto Gil (Foto: Divulgação / Alice Venturi)

Bem Gil, Roberta Sá e Gilberto Gil (Foto: Divulgação / Alice Venturi)

Foi também Bem quem arregimentou a banda formada por Bruno Di Lullo (sintetizador), Domenico Lancellotti (bateria e MPC), Alberto Continentino (baixo) – músico que já tocava com Roberta Sá – e Joana Queiroz (clarinete), além do próprio Bem Gil, que toca percussão em Afogamento.

O repertório do álbum de Roberta inclui Cantando as horas – música assinada por Gil com a própria Roberta Sá, compositora eventual – e a primeira parceria de Gil com Jorge Ben Jor em 33 anos, de título ainda não revelado.

Roberta Sá e Gilberto Gil (Foto: Divulgação / Alice Venturi)

Roberta Sá e Gilberto Gil (Foto: Divulgação / Alice Venturi)

Além de virar parceira de Gil, Roberta Sá tem o cacife aumentado no mercado fonográfico pelo simples fato de lançar um álbum somente com músicas inéditas do compositor – proeza nunca realizada por outro artista do Brasil.

Como Gil também tem pronto um álbum de músicas inéditas que também será lançado no segundo semestre deste ano de 2018 com produção assinada por Bem Gil, não será surpresa se for anunciada uma turnê nacional conjunta dos artistas com show em torno da obra de Gil, com foco nessas vinte e poucas canções inéditas que compõem os repertórios dos dois discos.

Com informações do Mauro Ferreira, G1

Entretenimento

Gustavo Lima investe na música inédita ‘O ex da sua vida’ para terminar o álbum de repertório romântico

Published

on

Foto: Divulgação

♪ Após o primeiro volume do álbum O embaixador falando de amor, apresentado em 10 de junho com 6 músicas, Gustavo Lima lança a segunda e última parte do álbum gravado no estúdio Balada, em Goiânia (GO).

Em rotação nos aplicativos de música desde quinta-feira, 1º de julho, o disco O embaixador falando de amor vol. 2 acrescenta sete canções ao repertório romântico. O foco de marketing da gravadora Sony Music – parceira do selo Balada Music na edição do álbum – atualmente recai sobre O ex da sua vida, faixa em que o cantor mineiro dá voz à composição inédita de Adryel Lima.

O resto do repertório deste segundo volume é composto por regravações de outros artistas? sucessos, como Va a ser (Cláudio Rabello e Franco Atílio), Se não tivesse ido (Marco Antonio Solís Sosa e Bruno), Os corações não são iguais (Augusto César, Miguel Plopschi e Paulo Sergio Valle), Quando um enorme amor se faz (Cantare è d’amore, Amedeo Minghi, na versão em português de César Augusto e Duchesca), e Você mudou (Fazendo amor do nada, Jim Steinman, na versão em português de Boiadeiro e Sandro Lemes).

Para aqueles que não sabem o nome da canção, Making love out of nothing at all é uma balada lançada em 1983 pelo duo australiano Air Supply.

Fonte: BLOG DO MAURO FERREIRA/G1.globo.com

Continue lendo

Entretenimento

Virtudão lança nova música que conta uma história de amor a distancia

Published

on

A música “Menos de 1 km”, um pagodinho clássico, cheio de romantismo e história de amor .

O grupo de pagode Virtudão lançou nesta quinta-feira (13) o primeiro single sete meses depois de apostar em uma mulher como nova vocalista da banda. Leticia Moura e Everton Martins lançaram a música “Menos de 1 km”, um pagodinho clássico, cheio de romantismo e história de amor que pode ser conferido em todas as plataformas digitais e no youtube.

“Nosso primeiro single do EP foi um sambinha mais dançante, agora apostamos nessa pegada mais clássica. A verdade, é que amamos esse pagode mais romântico, e tenho certeza que o publico vai gostar também”, explicou Everton.

Essa é a segunda canção do EP gravado em São Paulo. Ao todo foram três músicas produzidas por Jr Nikkimba, Michel Fujiwara, Cláudio Bonfim, Kadu Silva, Jacques Batera e Ronald Marcondes. Os profissionais tem carreiras consolidadas e trabalham com grandes nomes do pagode como Dilsinho, Alexandre Pires, Thiaguinho, Jeito Moleque, entre outros.

A banda surgiu, mas só em 2011 após uma breve separação o Virtudão uniu mais uma vez Andrey Nogueira e Everton Martins, em nova formação. O encontro rendeu vários projetos musicais, como o Virtudão VIP e o Quintal do Virtudão.

Com shows animados e dançantes, o Virtudão leva os clássicos do pagode para o palco, mas as músicas atuais também, em novas roupagens no ritmo.

Fonte: G1 Pa — Belém

Continue lendo

Entretenimento

Lobão adiciona música de Rita Lee ao álbum ‘Canções de quarentena’

Published

on

♪ Lobão decidiu incluir uma segunda música de Rita Lee no repertório do álbum Canções de quarentena. Como o artista revelou em rede social, o cantor vai gravar Ando jururu, composição apresentada pela autora há 47 anos no álbum Atrás do porto tem uma cidade (1974), gravado por Rita com o grupo Tutti Frutti.

Além de Ando jururu, Lobão também selecionou Balada do louco (Arnaldo Baptista e Rita Lee, 1972) – música do repertório do grupo Os Mutantes – para o álbum.

Gravado desde o primeiro semestre de 2020 com produção orquestrada solitariamente por Lobão (inicialmente no Rio de Janeiro e, desde dezembro, em São Paulo), o disco Canções de quarentena reúne registros inéditos de músicas da década de 1970 que reverberam na memória afetiva de Lobão.

Ainda inédito, o álbum já gerou seis singles, sendo que o último, Canalha, foi lançado em 29 de janeiro deste ano de 2021 com regravação do rock do compositor Walter Franco (1945 – 2019), apresentado pelo autor em 1979 em festival promovido pela TV Tupi.

O trem azul (Lô Borges e Ronaldo Bastos, 1972), BR-3 (Antonio Adolfo e Tibério Gaspar, 1970), Canteiros (Fagner sobre poema de Cecília Meirelles, 1973), Pedaço de mim (Chico Buarque, 1978) e Eu quero é botar meu bloco na rua (Sérgio Sampaio, 1972) foram, pela ordem, os cinco singles anteriores do álbum.

O sétimo e ainda inédito single deverá ser Retalhos de cetim, samba de 1973 que se tornou o primeiro grande sucesso do cantor e compositor Benito Di Paula.

♪ Eis outras músicas já gravadas por Lobão para o álbum Canções de quarentena, mas ainda inéditas:

♪ Azul da cor do mar (Tim Maia, 1970)

♪ Na hora do almoço (Belchior, 1971)

♪ Tarde em Itapoã (Toquinho e Vinicius de Moraes, 1971)

♪ Balada do louco (Arnaldo Baptista e Rita Lee, 1972)

♪ Cais (Milton Nascimento e Ronaldo Bastos, 1972)

♪ Como vai você (Antonio Marcos e Mário Marcos, 1972)

♪ Hoje ainda é dia de rock (Zé Rodrix, 1972)

♪ Pérola negra (Luiz Melodia, 1971)

♪ Retalhos de cetim (Benito Di Paula, 1973)

♪ Os alquimistas estão chegando os alquimistas (Jorge Ben Jor, 1974)

Fonte: Mauro Ferreira g1.globo.com

Continue lendo
Publicidade

MAIS LIDAS

Enable Notifications    OK No thanks